Blog

06 nov 2017
Comments are off

Destaque em TI – Cristina Filipak Machado, Avaliadora do MGPDI

Neste mês, conversamos com Cristina Filipak Machado, Avaliadora do MGPDI, que apresentou a metodologia na 17th Internacional Conference  – SPICE 2017, em Palma de Mallorca (Espanha), no início de outubro.

Questões:

1 – Dentro do assunto “metodologia MGPDI”, qual o enfoque dado em sua palestra na SPICE 2017? E como foi a interação com o público sobre o tema?

Cristina – A palestra ministrada no SPICE 2017 teve como principal enfoque o entendimento sobre como o MGPDI atende as normas internacionais (ISO/IEC 330xx), brasileiras – ABNT NBR 16501:2011 e espanholas AENOR UNE 166001: 2006 e 16602:2014.

A plateia recebeu muito bem a proposta do MGPDI. Destaco como exemplo o caso de uma representante da União Europeia que tem proposta parecida com a nossa e que gostaria de trocar conhecimento conosco para buscar as nossas melhores práticas. Ela deseja entender os nossos diferenciais, especialmente, no que diz respeito à eficiência na condução das avaliações.

2 – Na sua avaliação, pelo o que viu na Conferência, como está a capacidade de inovação das empresas no cenário mundial?

Cristina – Sem dúvida, há projetos de inovação sendo conduzidos pelas empresas. Mas com um modelo de maturidade como o MGPDI, temos poucos. Para a área de inovação, foram apresentados o MGPDI e o da União Europeia. No caso da União Europeia, este tem como finalidade apoiar os órgãos de fomentos na escolha de empresas para destinar recursos para inovação.

3 – E como estão as métricas para visualizar os benefícios de inovar? A gestão da inovação está progredindo dentro das companhias?

Cristina – Os benefícios da inovação são entendidos pelas empresas. O problema não está na sensibilização para inovar, e, sim, em como conseguir inovar. Inovação é processo, mas também é mudança cultural. E as empresas precisam realmente de ajuda para fazer essa transformação. No Brasil, já somos conhecidos pela nossa criatividade; agora, precisamos fazer com que essa criatividade gere valor para o negócio.

4 – Na sua visão, a metodologia MGPDI poderá ser implantada em larga escala por empresas de outros países, além da América Latina e Caribe?

Cristina – Sim. Existe um potencial muito grande, porque o problema é o mesmo em todos os países. Trata-se de como fazer a transformação de uma organização para que ela tenha no seu DNA a inovação. Este é o desafio.